Microfusão

O processo de Microfusão por cera perdida é um antigo, complexo e distinto processo de fundição. As peças obtidas por este processo, caracterizam-se pela sua riqueza de detalhes, precisão dimensional e fino acabamento, o que permite, em alguns casos, a eliminação quase completa de subseqüentes operações de usinagem.


Processo produtivo

Consiste na produção de uma dada peça, partindo de um modelo em cera, obtido através de um processo de injeção, que é recoberto com material cerâmico, composto por partículas sólidas, lama refratária, com granulação crescente, formando um molde que após a retirada da cera de seu interior, fica oco e serve como base para o preenchimento do metal líquido. Após sua solidificação, este metal que agora é uma peça metálica, é retirado do restante do molde cerâmico, passando pelo processo de acabamento e finalmente inspecionado para verificar se está de acordo com especificações do cliente.


Vantagens de utilizar o processo de microfusão

  • Possibilitar a produção de peças mais detalhadas;
  • Permitir o uso de ampla variedade de ligas;
  • Maior flexibilidade durante o projeto;
  • Diminuir e até eliminar o processo de usinagem;
  • Produzir peças mais próximas a sua forma original;
  • Proporcionar melhor acabamento superficial;
  • Reduzir gastos com ferramentas de fabricação;
  • Reduzir o peso das peças.

Fundição e processo de fundição de precisão em um relance

Primeiro passo – projeto e confecção da ferramenta de injeção da peça em cera:

A nossa Engenharia de Projeto desenvolve o design da peça e o projeto do ferramental de injeção da peça em cera considerando contrações do material e canais de alimentação.

 
 

Segunda passo - modelo de produção de cera e montagem:

Para cada carcaça é necessária uma peça em cera. Isto é feito com a ajuda de moldes de injeção e máquinas de injeção semi-automáticas. Injetadas, as peças passam por um procedimento de rebarbação feito à mão. Posteriormente as peças são soldadas manualmente em uma disposição em àrvore afim de garantir um forma técnica e uma disposição econômica das mesmas.

 
 

Terceiro Passo - mergulho de cerâmica (cerâmica shell):

Nesta parte do processo de fundição, os cachos de cera são revestidos, em salas climatizadas, por imersão em diversas massas cerâmicas, partindo de uma massa extremamente fina até uma mais grossa. O mergulho de cerâmica é repetido 6 a 12 vezes na área de mergulho, cada camada deve secar antes da próxima camada ser aplicada.

 
 

Quarto Passo - derretendo a cera da casca cerâmica:

Após a secagem das camadas cerâmicas , a cera é removida por meio de vapor e de pressão ("melting out") em uma Boilerclave.

As árvores cerâmicas vazias ("máscaras") são pré-aquecidas a cerca de 1100 ° C em um forno de calcinação onde serão queimados, também, quaisquer resíduos de cera que ainda estiverem presentes nas mesmas. A principal tarefa do pré-aquecimento, no entanto, é a de dar à máscara de cerâmica a resistência e estabilidade, de modo a resistir à pressão de fundição exigida posteriormente.

 
 

Quinto Passo - Fundição:

As cascas cerâmicas incandescentes são retiradas do forno de calcinação através de dispositivos mecânicos e realocadas em um Leito de Areia onde imediatamente serão vazadas com as ligas de aço, ferro ou não ferrosos pré especificadas. Com este método, o processo de fundição de precisão garante particularmente uma boa precisão dimensional e boa superfície.

 
 

Sexto Passo – Separação da peça fundida da casca cerâmica:

Após vazadas os cachos cerâmicos cheios de material ainda aquecido são jogados em água a temperatura ambiente sofrendo um choque térmico e com isto parte da casca cerâmica se parte e solta-se das peças formadas. A sobra final desta cerâmica é removida em equipamento tipo martelete, furadeiras e jatos de areia de alta pressão.

 
 

Sétimo passo - corte, rebarbação, jateamento:

As árvores com peças sem a casca cerâmica são dispostas em equipamentos de corte afim de separar as peças da árvore. As peças separadas passam então por um processo de rebarbação e posterior jateamento com granalhas de aço.

 
 

Outras Informações:

Tolerâncias Dimensionais

Através da Microfusão não podemos obter medidas absolutas, por isso para cada medida existe uma tolerância, conforme tabela abaixo.

Ovalização Ou Circularidade

A cada diâmetro existe uma variação; uma ovalização de acordo com a tabela abaixo.

Empenamento ou Retilinidade

Peças finas poderão sofrer empenamento conforme tabela a seguir. Fora do especificado serão necessários ajustes mecânicos.

Furos e Ranhuras

Furos cegos e passantes, canais e ranhuras podem ser fundidos, desde que seja respeitada a tabela abaixo. Furos cegos e ranhuras fechadas devem ser arredondadas no fundo da parte interna.

Ligas de Produção Normal